«

»

set 16

Festa de Nossa Senhora das Dores – 2017

Em concordância com todas as reflexões observadas nas Missas, das diferentes localidades de nossa cidade e também no Setenário das Setes Alegrias de Maria, quando vários Padres tiveram a oportunidade de expor, sempre de forma assertiva uma releitura de cada alegria conjugada com a dor, Dom Célio de Oliveira Goulart, bispo de nossa diocese, na missa festiva em homenagem à padroeira, ratificou de forma simples, porém profunda, Sua importância no processo da, nossa, que foi o Sim Dela, que originou a redenção da transgressão cometida por Eva, no Paraíso, segundo Gênesis __ “Porei hostilidade entre ti e a mulher, entre tua linhagem e a linhagem dela. Ela te esmagará a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar.” E no aplocalipse de São João:__Apareceu um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrela, que esmagará a cabeça do dragão”. A isso não tem como duvidar da importância dessa Grande Mulher, que todos em sã consciência a reconhece, como tal e que São Luís Maria Grignion de Montfort a denominou como:__ Collum Dei (pescoço de Deus), pois viu Nela o canal direto entre Deus e os homens. Toda a comunidade Católica dorense reconhece em Maria, a escolhida desde a criação do mundo, como a que seria a grande educadora  de Jesus, para que Este nos levasse de maneira direta ao Pai, sem o subterfúgio das cortinas do templo, que Ele do alto do madeiro rasgou.

Dom Célio pontuou o estado de prontidão que devemos ter ao atender, de forma concreta, às necessidade dos nossos irmãos e, também, que nossos rogos e nossas preces não deve nos deixar em estado de letargia e alienação, antes deve ser um estado de consciência da predições da Boa Nova, apregoada por Jesus, para a prática. Vale lembrar, em tempo, que Pe. Paulo Marcelo de forma inteligente disse que a grandeza de Maria consiste na discrição, na maneira de se fazer pequena, a isso analisou o contraste da pequenez da imagem de Maria, a Senhora de Aparecida, em contraste da suntuosidade arquitetônica de Seu Santuário. Em meio a tantos alertas denunciados em tantas reflexões, devemos policiar-nos, se o caminho que escolhemos está condizente com o ensinado por Maria a Jesus e para o caminho ensinado a nós, pois quando Ele disse: __”Mulher eis ai teu filho! Filho eis aí tua Mãe” tornou-nos partícipes da mesma família, sendo Ela a Nossa Senhora, a Nossa Mãe. Logo após a Missa Maria foi conduzida pelas ruas de nossa cidade e, quando recepcionada, novamente na Matriz e coroadas pelas mãos de Pe. Paulo Marcelo, de forma figurativa e poética os fogos de artifício trouxeram para pertinho de todos os fiéis, que soerguiam lenços brancos de paz, um céu coruscado de estrelas multicores.

Foi uma festa, tal qual às preteridas, belíssima.

Parabéns a todos os envolvidos, destacando desses o jovem Vinícius Teixeira, que com delicadeza e esmero colocou Maria, Senhora das Dores de todos nós, em belos e vastos jardins do paraíso, tais quais os sonhados, que não conhecemos, porém sentimos existir.

Por João Bosco de Melo – PASCOM

Dores de Campos, 16 de setembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>