«

»

nov 03

Finados

Um sufi despertou certa noite e disse para si: “O mundo me parece uma arca na qual somos colocados e onde, fechada a tampa, nos entregamos a toda a sorte de loucuras. Quando a morte ergue a tampa, o que conquistou asas alça vôo para a eternidade, mas o que não as conquistou continua na arca, presa de mil tribulações. Certifica-te, pois, de que o pássaro da ambição adquire asas de aspiração e dá ao teu coração e à tua razão o êxtase da alma. Antes que se abra a tampa da arca, converte-se num pássaro do Espírito, pronto para estender as asas”.

Para tanto, queridos paroquianos, finados é uma data que estabelece, para nós uma reflexão:__a vida é impermanente!  Se recorrermos a um jogral, que Maria José Lopes de Andrade gostava de fazer, quando professora  …A vida é o dia de hoje, a vida é um ai que mal soa, a vida é a sombra que foge, a vida é uma nuvem que voa! A vida é um sonho tão leve, que se desfaz como neve e como fumo se esvai!… veremos que se faz urgente termos uma vida saudável, distante daquilo que nos puxa para baixo, pois não sabemos o dia em que a vida será tirada de nós:Entretanto, o Dia do Senhor virá como ladrão, no qual os céus desaparecerão ao som de um terrível estrondo, e os elementos se desintegrarão pela ação do calor. (2 Pedro 3,10). A tudo isso Pe. Paulo Marcelo discorreu com muita propriedade no ofício da Santa Missa defronte do Cemitério.

É bom saber: (Sobre o Sufi: trecho retirado da obra “A Conferência dos Pássaros” e sobre o jogral, se refere a trecho de um poema de João de Deus Ramos)

Por João Bosco de Melo

Dores de Campos, 02 de novembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>